Voltar ao site

Acessibilidade em tempos de pandemia: Juntas promovem ações para levar informação às pessoas com deficiência

· NOTÍCIAS

Ampliar o acesso às informações sobre a pandemia é essencial durante o período de quarentena. Pensando nisso, as deputadas Juntas entregaram um ofício, no dia 16 de março, ao governador Paulo Câmara solicitando a fiscalização das publicações institucionais do Estado para checar se estão acessíveis com legenda e intérprete de Libras para pessoas surdas. Além disso, as parlamentares estão apoiando a campanha da TV Pernambuco para que sejam usadas janela de Libras e legendas em sua programação.

Essa é uma forma de monitorar a acessibilidade comunicacional nos materiais sobre o Covid-19 produzidos e divulgados pelos órgãos públicos. As Juntas são o único mandato com uma intérprete de Libras na equipe. Além disso, suas redes sociais têm nas publicações legenda para cego, pois a inclusão pela linguagem é um de seus eixos políticos. Esse trabalho de acesso às Pessoas Com Deficiência (PCDs) é fundamental para que a informação alcance toda a população, principalmente as pessoas com deficiência.

De acordo o Instituto Locomotiva, em 2019, no país há cerca de 10,7 milhões de pessoas com deficiência auditiva. A maioria (57%) faz parte do grupo de risco do novo coronavírus, com 60 anos ou mais. Em Pernambuco, segundo o último Censo do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2010, havia 523.055 pessoas com algum tipo de deficiência auditiva e 368.129 de pessoas que não conseguiam ver de modo algum e que apresentavam grande dificuldade.
A acessibilidade, para além da arquitetônica, como a provisão de sinalização e calçadas adequadas, por exemplo, deve ser atitudinal e comunicacional. No Brasil, desde 2015, existe a Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Lei nº 13.146). Seu primeiro artigo afirma que a Lei é "destinada a assegurar e a promover, em condições de igualdade, o exercício dos direitos e das liberdades fundamentais por pessoa com deficiência, visando à sua inclusão social e cidadania" e coloca, no Art. 3º, que tenha na comunicação uma "forma de interação dos cidadãos que abrange, entre outras opções, as línguas, inclusive a Língua Brasileira de Sinais (Libras), a visualização de textos, o Braille, o sistema de sinalização ou de comunicação tátil, os caracteres ampliados, os dispositivos multimídia, assim como a linguagem simples, escrita e oral, os sistemas auditivos e os meios de voz digitalizados e os modos, meios e formatos aumentativos e alternativos de comunicação, incluindo as tecnologias da informação e das comunicações".
As Juntas, desde o início do mandato, têm seu trabalho focado nas pessoas em situação de vulnerabilidade e que sofrem exclusão social. Essas ações são fundamentais para o enfrentamento às desigualdades sociais, levando assistência e ao cumprimento dos direitos das pessoas com deficiência.

Todos os Posts
×

Quase pronto…

Acabámos de lhe enviar um email. Por favor, clique no link no email para confirmar sua subscrição!

OK

...